sábado, 23 de janeiro de 2010

RELEMBRANDO MAYSA

video


Ontem fez 33 anos da partida de Maysa. A música Ne me quitte pas se torna mais profunda quando entoada por Maysa.

Ne me quitte pas é uma canção francesa, composta, escrita e cantada por Jacques Brel, publicada em 1959 pela Warner-Chappell. Foi escrita no decorrer da separação de Brel e de Suzanne Gabriello. Segundo Brel, a música não é sobre o amor, mas sobre a covardia dos homens. Ou quem sabe ele se referia a si próprio e a esse relacionamento malogrado.

Ne me quitte pas foi interpretada na versão orginal em francês por Simone Langlois, seguida de Nina Simone, Sylvie Vartan, Serge Lama, Nana Mouskouri, Yuri Buenaventura, Maysa Matarazzo e Estrella Morente.

LETRA

Ne me quitte pas Não me deixes,
Il faut oublier É preciso esquecer
Tout peut s'oublier Tudo se pode esquecer
Qui s'enfuit déjà o que já se foi ( para trás ficou trás)
Oublier le temps Esquecer o tempo
Des malentendus dos mal-entendidos
Et le temps perdu E o tempo perdido
À savoir comment a querer saber como
Oublier ces heures Esquecer essas horas,
Qui tuaient parfois Que de tantos porquês
À coups de pourquoi Por vezes matavam (a golpes de porquês)
Le coeur du bonheure o coração da felicidade
Ne me quitte pas (x4) Não me deixes
Moi je t'offrirai Te oferecerei
Des perles de pluie Pérolas de chuva
Venues de pays Vindas de países
Où il ne pleut pás onde nunca chove
Je creuserai la terre eu cruzarei a terra
Jusqu'après ma mort Até depois da morte,
Pour couvrir ton corps para cobrir teu corpo
D'or et de lumière de ouro e luzes
Je ferai un domaine Eu farei um domínio(Criarei um país)
Où l'amour sera roi onde o amor será rei
Où l'amour sera loi onde o amor será lei
Où tu seras reine onde tu serás rainha
Ne me quitte pas Não me deixes

Ne me quitte pás Não me deixes
Je t'inventerai Eu inventarei
Des mots insensés palavras insentatas
Que tu comprendras que tu compreenderás
Je te parlerai Eu te falarei
De ces amants là desses amantes
Qui ont vu deux fois que viram,duas vezes
Leurs coeurs s'embrasser seus corações se abraçarem
Je te raconterai Eu te recontarei
L'histoire de ce roi a história desse rei
Mort de n'avoir pás morto por não ter
Peu te rencontrer podido te reencontrar
Ne me quitte pas (x4) Não me deixes

On a vu souvent Onde se viu
Rejaillir le feu reacender o fogo
De l'ancien volcan do velho vulcão
Qu'on croyait trop vieux que se acreditava ser muito velho
Il est paraît-il Até parece
Des terres brûlées de terras queimadas
Donnant plus de blé produzindo mais trigo
Qu'un meilleur avril que o melhor abril
Et quand vient le soire e quando vem a tarde
Pour qu'un ciel flamboie para que o céu flambe
Le rouge et le noir o vermelho e o negro
Ne s'épousent-ils pás se casam
Ne me quite pas (x4)

Ne me quite pas
Je ne veux plus pleurer eu não vou mais chorar
Je ne veux plus parler eu não vou mais falar
Je me cacherai là eu me esconderei
À te regarder para te olhar
Danser et sourire dançar e sorrir
Et à t'écouter e te escutar
Chanter et puis rire cantar e depois rir
Laisse-moi devenir deixe-me tornar
L'ombre de ton ombre a sombra de tua sombra
L'ombre de ta main a sombra de tua mão
L'ombre de ton chien a sombra do teu cão
Ne me quitte pas não me deixes


++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++


Paulo Nazareno disse:

Beleza! Vale a pena ouvir também a versão do Genial Fausto Nilo.("Não me deixes mais").

TEXTO SEM LETRA "A" (SOMENTE NOSSO BOM E VELHO PORTUGUÊS



É possível sim!

Sem nenhum tropeço posso escrever o que quiser sem ele, pois rico é o português e fértil em recursos diversos, tudo isso permitindo mesmo o que de início, e somente de início, se pode ter como impossível. Pode-se dizer tudo, com sentido completo, mesmo sendo como se isto fosse mero ovo de Colombo.

Desde que se tente sem se pôr inibido pode muito bem o leitor empreender este belo exercício, dentro do nosso fecundo e peregrino dizer português, puríssimo instrumento dos nossos melhores escritores e mestres do verso, instrumento que nos legou monumentos dignos de eterno e honroso reconhecimento.

Trechos difíceis se resolvem com sinônimos. Observe-se bem: é certo que, em se querendo esgrime-se sem limites com este divertimento instrutivo. Brinque-se mesmo com tudo. É um belíssimo esporte do intelecto, pois escrevemos o que quisermos sem o "E" ou sem o "I" ou sem o "O" e, conforme meu exclusivo desejo, escolherei outro, discorrendo livremente, por exemplo sem o "P", "R" ou "F", o que quiser escolher, podemos, em corrente estilo, repetir um som sempre ou mesmo escrever sem verbos.

Com o concurso de termos escolhidos, isso pode ir longe, escrevendo-se todo um discurso, um conto ou um livro inteiro sobre o que o leitor melhor preferir. Porém mesmo sem o uso pernóstico dos termos difíceis, muito e muito se prossegue do mesmo modo, discorrendo sobre o objeto escolhido, sem impedimentos. Deploro sempre ver moços deste século inconscientemente esquecerem e oprimirem nosso português, hoje culto e belo, querendo substituí-lo pelo inglês. Por quê?

Cultivemos nosso polifônico e fecundo verbo, doce e melodioso, porém incisivo e forte, messe de luminosos estilos, voz de muitos povos, escrínio de belos versos e de imenso porte, ninho de cisnes e de condores.


Honremos o que é nosso, ó moços estudiosos, escritores e professores. Honremos o digníssimo modo de dizer que nos legou um povo humilde, porém viril e cheio de sentimentos estéticos, pugilo de heróis e de nobres descobridores de mundos novos.

Autor: Desconhecido

(Enviado por Paulo Nazareno)

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

CONJUNTURA NACIONAL


"SEU" LUNGA

Seu Lunga abriu a coluna tempos atrás. Sucesso enorme. E aí as contribuições não pararam de chegar. Hoje, mais historinhas entremeando as notas. Apenas para lembrar a ficha do nosso protagonista: Seu Lunga, pai de 13 filhos, ourives em Juazeiro do Norte, vendedor de sucata.

__________________

Seu Lunga leva o aparelho eletrônico para a manutenção. O técnico pergunta:

- Tá com defeito?

- Não, é que ele estava cansado de ficar em casa e eu o trouxe para passear.

__________________

OSIRES, O TIMONEIRO

O brigadeiro Osires Silva, que iluminou os primeiros caminhos da Embraer, uma ilha de excelência mundial no complexo segmento de aviões, está muito bravo. Não se conforma com a decisão do presidente Lula em deixar a Embraer de lado no caso da aquisição dos aviões para a Aeronáutica. Osires afirma peremptoriamente – e ele fala de cátedra – que o Brasil teria condições de fabricar os melhores caças do mundo, usando tecnologia de ponta, bastando, para tanto, fazer pequenas parcerias com alguns fabricantes. Seria bom para o país na medida em que se posicionaria muito bem no ranking da construção de caças, para a empregabilidade e para a economia. O brigadeiro conta com os aplausos deste consultor.

LULA, CALL ME

Ontem, ao término da conversa com Lula, para acertar a logística de apoio ao Haiti, Obama pediu: "Lula, call me". E o nosso presidente, raposa matreira, teria aproveitado para animar a campanha eleitoral: "cara, apareça logo, logo, para esquentar a festa". Luiz Inácio quer que o presidente dos EUA dê as caras lá por julho. Coelho na cartola. Dilma agradece de coração.

__________________

Cai um toró em Juazeiro do Norte. Seu Lunga não se incomoda e se prepara para sair de casa. A mulher pergunta:

- Vai sair nessa chuva?

- Não, vou sair na próxima.

__________________

MEIRELES, OLHO AQUI, OUTRO ACOLÁ

Henrique Meirelles, o todo poderoso presidente do BC, abre um olho para Goiás e outro para o Palácio do Jaburu. Espera substituir Iris Rezende, caso este, por motivo de saúde, decline da candidatura ao governo de Goiás. Mas não quer dar imediata resposta. Cozinhará o galo até março/abril, quando enxergará com outros olhos a disposição do PMDB sobre o nome do vice na chapa da Dilma.

O VICE DO PMDB

Ocorre que a cúpula do PMDB deverá indicar o nome. Não aceitará imposição do presidente Luiz Inácio. Acha que tem cacife suficiente para bancar a indicação. Michel Temer, o presidente do partido, deverá ser reconduzido à presidência em março, continuando a ter muita força no Congresso e junto ao Poder Executivo. Com esses dois importantes cargos, fica bem menor o espaço de vice presidente. Michel está realmente interessado em obter o máximo de consenso na Convenção do partido, a se realizar em junho.

NOME DE MINAS?

Não dá para apostar no nome de Hélio Costa como vice de Dilma. E a razão é óbvia: Dilma é mineira. Outro mineiro tornaria a chapa muito homogênea, algo como sanduíche de pão com pão. Dilma precisa ter um vice na região sudeste, sim, mas sem ser necessariamente de Minas. De SP, preferencialmente. Onde a campanha será a mais tucana e contundente do país. Os tucanos guardam grandes possibilidades de continuar segurando as rédeas do Estado.

__________________

Seu Lunga acaba de levantar. O filho vem com a pergunta idiota:

- Acordou ?

- Não. Estou dormindo. Sou sonâmbulo !

__________________

(EM)PACANDO 2

Lula só pensa em ideias que possam gerar impacto. Esforça-se para agitar as ruas. Planeja uma agenda cheia de eventos. Vai rodar o mundo, mais uma vez, nesse primeiro semestre, para ficar livre, a partir de julho. Por isso, organiza mais um cavalo de batalha, o PAC 2. Não sabemos muito bem o que esse PAC terá de novidade. Sabe-se que o PAC 1 patina nos 30% de realização. Não decola em algumas regiões. O PAC 2 pode ser mais um atoleiro. Lula, porém, sabe fazer marketing. O barulho é tão importante quanto inauguração de obra. A versão é mais importante que o fato.

ORLANDO, BOLA CHEIA

O ministro Orlando Silva emplacou mais uma: Lula o escolheu como Autoridade Olímpica. Cargo que acumulará com o ministério. Todos os eventos, obras e agenda da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016 passarão pelo crivo deste cara boa praça.

__________________

O amigo liga para sua casa e pergunta a Seu Lunga:

- Onde você está?

E ele:

- No Pólo Norte! Um furacão levou a minha casa pra lá!

__________________

CADÊ CIRO GOMES?

Onde está você, Ciro Gomes? Lembro-me da boa canção de Zeca Baleiro: por onde andará Stephen Fry? Quem se lembra deste ator? Ciro deu uma de Fry. Desapareceu. Lula não quer vê-lo como candidato à presidência da República. Principalmente, agora, depois de ver a derrota do candidato de esquerda no Chile. Eduardo Frei, que foi atrapalhado por mais um candidato da esquerda – o que deu margem à vitória de Sebastián Piñera.

CONCERTACIÓN OU DISSERTACIÓN

Pois é, no Chile, a derrota de Frei é atribuída, entre outros fatores, à divisão da esquerda. Concertación, que aglutina os partidos de esquerda, se dividiram. E Bachelet, a presidente super aprovada pelos chilenos (mais de 80% de aprovação, igual à Lula), não conseguiu transferir seu prestígio para seu candidato, Eduardo Frei. O imbróglio chegou por estas bandas provocando – com perdão do trocadilho – dissertación. Que abriga as hipóteses contrárias: Lula não transfere votos e Lula transfere votos. Este consultor vai agregar sua impressão à moldura.

TRANSFERÊNCIA

A questão da transferência de votos é relativa. O Chile tem identidade, história, tamanho, condições geoeconômicas e sociais bem diferentes das que exibe o Brasil. Portanto, não dá para se fazer análises comparativas fechadas. Há que se pinçar elementos e fatores e sobre eles traçar posições. Por exemplo: Lula é carismático, Bachelet, apesar de certo carisma, está longe de ser um ícone populista. O Brasil é povoado por massas assistidas por gigantescos programas populistas. E Lula abraça diretamente o povo nos comícios de palanque. Sua origem nordestina e seu trajeto lhe conferem identidade sui generis.

SIM E NÃO

Pois bem, Luiz Inácio, impregnado de simbolismo, carregando o manto populista, considerado o "Pai dos Pobres", tem poder para transferir parcela de seu prestígio. Principalmente em regiões menos desenvolvidas que dependem diretamente dos braços estendidos e generosos do governo. O nordeste, por exemplo, poderá dar os votos a Dilma em agradecimento à Lula. Por outro lado, devemos considerar o fato de que Lula faz campanha há dois anos por sua candidata. E Bachelet só entrou no pleito chileno na reta final do segundo turno.

CHARADA FINAL

A pergunta da charada: afinal, quem conseguiu 23% de intenção de voto? Esse é o índice que Dilma ostenta hoje. Respondam: foi ela com seus belos olhos, fala maviosa, carismática e cheia de graça? Non, non, non. Foi ele mesmo, Dom Luiz Inácio Lula da Silva, de Caetés/PE. Eis uma modesta opinião.

PORÉM...

Toda história tem um porém. A leitura acima não pode ser considerada infalível. Transferência de votos é algo relativo. Há um limite para isso. No sudeste, por exemplo, essa condição fenece. O voto é mais racional. Menos emotivo. As classes médias tendem a votar mais com a cabeça e menos com o coração.

CHALITA E SANTANA

Gabriel Chalita foi procurar João Santana, o marqueteiro de Lula. Como ser senador? Esta deve ter sido a pergunta-chave. A identidade, claro, é o eixo. Mas, para ser senador, vereador Chalita, é preciso ter visibilidade e armas de ataque na arena eleitoral. Visibilidade, o PSB não tem. Armas de ataque poderiam ser emprestadas por quem tem. Paulo Skaf, por exemplo. Mas o socialista Skaf emprestaria armas de ataque não fosse ele mesmo um candidato a cargo majoritário?

ALVARO NO PARANÁ?

Recebo dados sobre o Paraná. De pesquisa feita pelo IPESPE, do sociólogo Lavareda. O senador Alvaro Dias, do PSDB, sai na frente nos apresentados aos eleitores. No confronto direto com Beto Richa, que disputa a indicação dentro do partido, ele vence por 45% a 38%. A margem de erro é de 2,7 pontos percentuais. Alvaro venceria também o irmão Osmar Dias em suposto confronto somente entre os dois. Sem Osmar na parada, com este liderando os votos na reeleição ao Senado, Alvaro Dias levaria a melhor no pleito. E na eleição para a presidência da República, o governador paulista, José Serra, confirma a preferência dos paranaenses.

__________________

Seu Lunga acaba de tomar banho e a mulher pergunta:

- Você tomou banho?

- Não, mergulhei no vaso sanitário!

__________________

PROPINA NO EXTERIOR?

As investigações da Operação Castelo de Areia começam a rastrear as contas do PT no exterior. Eis o que os documentos apontam: uma remessa de R$ 261.285,52, em abril de 2008, na conta: nº 941-11-013368-2, no First Commercial Bank, na China. (Folha de S.Paulo, 19/1, página A4.)

MORRENDO

O advogado, no leito da morte, pede uma Bíblia e começa a lê-la avidamente. Todos se surpreendem com a conversão daquele homem ateu, e uma pessoa pergunta o motivo. O advogado doente responde: "Estou procurando alguma brecha na lei."

CONSELHO AOS RADICAIS DO GOVERNO

Esta coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos a políticos, governantes e líderes nacionais. Na última coluna, o espaço foi destinado ao presidente Lula. Hoje, volta sua atenção aos radicais do governo:

1. Evitem produzir documentos, leis, projetos, decretos que ameacem romper os códigos normativos da República.

2. Administrem atitudes revanchistas, arquivando ódios e alimentando a seiva do bom senso.

3. Não há mais espaço para a radicalização no país. A Pátria está implícita na solidariedade sentimental de sua comunidade e não na confabulação de radicais e politiqueiros que medram à sua sombra.

____________


(Por Gaudêncio Torquato)

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

ANIVERSÁRIOS

Se viva fosse, estaríamos hoje celebrando o natalício da minha estimada mãe, Rosária, uma delicada roseira desprovida de espinhos.

Também hoje aniversaria o Lauro, meu segundo irmão, exemplo de decência, honestidade, dedicação ao trabalho e amor à família.

Seguem postagens de dois poemas que fiz para esses seres que, nesta vida sacudida por trevas, me brindaram com os pendores da luz.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Jaqueline Sales deixou um novo comentário:

Em memória à sua mãe, e em homenagem ao aniversário do seu irmão, deixo o desejo de que haja paz, luz, saúde, vida e esperança para ambos, também para voce nesse início de ano.

Vagueando pelo blogspot, acabei encontrando o endereço de varios amigos de Fortaleza. A verdade é que não conheço você, mas achei interessante a sua auto-definição.

Interessante como a net nos inspira a dizer, de fato, quem somos, não é verdade?

Namastê

SONETO À MINHA MÃE


O amor deitou sobre ti um cristal de inocência,
Amiga das plantas, filha do luar e da suave alegria,
Por isso me agrada fazer versos com paciência
À montanha iluminada de tua melancolia.

Meu jeito de sol expansivo, pedra solitária
Ou mágico aliado dos secretos elementos
Vem de teu regato, madura Rosária,
Mulher polida na cal do sofrimento.

A liberdade reconhece da luz o sonho dourado.
És minha mãe – assim como o mundo, a poesia,
Rosamada senhora por quem fui lapidado.

Mereces um lugar no trono alto da glória,
Pois fostes generosa para com a História:
Oferecestes ao povo um poeta alado!



(Júnior Bonfim, in Poesias Adolescentes e Maduras)

AO LAURO, MEU IRMÃO


Falou, Gozé, hoje para nós o tempo é de sol.
Já se passaram os vagões da ingenuidade,
As areias da ilusão, a distância do girassol,
Os nomes loucos de criança, o curral da saudade.

Passaram, passou... agora é simplesmente
Extrair do canteiro a radiosa maçã,
Colocar na mesa o pão permanente
E marchar sorrindo a buscar o amanhã.

(Adormeço no ar o meu encanto invisível,
Outorgo-te o mar grande, o luar feminino.
Meu irmão, eu sou feiticeiro inacessível.
A luta te fez homem, a poesia me faz menino).

Ninguém derrotará nossa alegria de aço.
Temos política nas veias, firmeza nos passos,
Somos livres no olhar, profundos de coração.

Há que sonhar, lutar e viver semeando.
Recebestes a luz, agora tens uma missão:
Desenvolve essa aurora e prossegue amando.



(Júnior Bonfim, in Poesias Adolescentes e Maduras)

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

PORTAL TERÁ DE IDENTIFICAR COMENTARISTA FALSO


Olhem, uma importantíssima decisão judicial noticiada pelo Consultor Jurídico no dia 8 de dezembro não mereceu o devido destaque na imprensa. Eu, confesso, não sabia da história. Reproduzo um texto publicado naquele dia pelo Consultor Jurídico. Leiam com atenção. Volto em seguida:
*

Quem cede espaço, na Internet, para comentaristas anônimos agredirem a honra alheia deve responder por isso. Com esse entendimento, a 42ª Vara Cível da capital paulista estabeleceu um paradigma que pode ser usado para conter a disseminação de “comentaristas profissionais” - que nunca se identificam, mas se prestam a criar ondas que se tornam campanhas para defender interesses inconfessáveis. A multa por descumprimento da decisão é de R$ 5 mil por dia.

O portal alvejado pela Justiça foi o iG que, sob o comando dos fundos de pensão governamentais, reuniu um time de jornalistas que passou a turbinar notícias dentro das metas de quem os contratou. Para evitar processos pelas ofensas praticadas, o truque utilizado foi o de admitir comentários com nomes e emails falsos. Contra a impunidade, a Justiça agora determinou que os hospedeiros das ofensas identifiquem seus autores. A proeza foi obtida pelo advogado João Yuji de Moraes e Silva. A decisão atingiu também o site Observatório da Imprensa que se viu casualmente envolvido no quiproquó - e o atual comando do iG, que nada tem a ver com as práticas anteriores do Portal, ao tempo em que fazia parte do departamento de imprensa e propaganda do PT.

Com a decisão da 42ª Vara Cível, o iG e o site Observatório da Imprensa estão obrigados a fornecer, num prazo de 48 horas, registros de IP, horário e data em que foram postados comentários em nome da advogada Ana Vardanega, com ofensas ao jornalista Márcio Chaer, diretor da revista Consultor Jurídico. Em caso de descumprimento, a multa diária é de R$ 5 mil. Ainda cabe recurso.

O caso foi parar na Justiça depois de o Observatório se recusar a informar os dados cadastrais do verdadeiro autor dos comentários feitos sob o artigo Síndrome fascista: a imprensa quer culpados, assinado por Márcio Chaer. O comentarista se valeu de nome e e-mail de outra pessoa [Ana Vardanega] para imputar mentiras com o objetivo de ofender o jornalista.

No artigo publicado em julho de 2008, Chaer criticava a atuação da Polícia Federal, do Ministério Público e também da imprensa, em uma época em que as operações da PF com seus efeitos especiais espetaculares podiam ser encomendadas como em um disque-pizza. Sob o artigo foram postados quase duzentos comentários, quantidade inédita para um texto publicado pelo OI.

Nomes falsos

Usar nome falso, uma traquinagem, que poderia se revestir de bom humor, descamba para a irresponsabilidade criminosa em alguns casos. O mais famoso serial killer dessa modalidade seria o empresário Luís Roberto Demarco, que conseguiu derrubar o outrora poderoso Daniel Dantas na disputa das teles. Demarco é suspeito de fabricar nomes e e-mails falsos para bombardear desafetos. Um estudo feito pelos especialistas em análise criminal Renato Akira Shimmi e Martin Augusto Carone dos Santos, conclui que o empresário, dono de empresas tecnológicas voltadas para a Internet, cria falsos endereços eletrônicos para prejudicar inimigos.

Contra sua ex-mulher, empresária responsável pela logística da Fórmula 1, Demarco teria criado e-mail para convencer o mundo automobilístico que ela seria uma terrorista condenada e foragida da Justiça brasileira. Contra o jornalista da revista IstoÉ, Leonardo Attuch, ele teria produzido email e um falso diálogo. No rastreamento da origem da mensagem, chegou-se a um computador franqueado por uma livraria. Requisitada a gravação ambiental, verificou-se que a atual mulher de Demarco, com alguém ao lado que a câmera não pegou, é que estava diante do computador no horário em que a mensagem foi enviada. À polícia, a mulher disse não lembrar se Demarco estava com ela no momento.

Muitos dos comentários publicados no artigo do Observatório da Imprensa têm o estilo e a marca que a análise criminal de Akira Shimmi e Carone dos Santos concluiu serem produzidos por Demarco. No caso do artigo no OI, a afirmação de que o autor oculto era o empresário levou-o a ajuizar ação de indenização por danos morais contra o jornalista. O pedido foi negado pelo juiz Guilherme Santini Teodoro, juiz da 9ª Vara Cível de São Paulo. Para o juiz, crítica da imprensa, por mais ácida que seja, não é ofensa. O juiz não aceitou o pedido do jornalista para recomeçar o processo colocando o empresário no banco dos réus.

Demarco é inimigo público de Daniel Dantas e trabalha para seus concorrentes. Ex-sócio do Grupo Opportunity, foi em uma de suas empresas, a Nexxy Capital, que se produziu a Ação Civil Pública assinada pelo procurador da República Luiz Francisco de Souza contra o rival. O empresário associou-se à Telecom Italia quando a empresa italiana disputava com o Opportunity o controle da Brasil Telecom. Na sequência, Demarco assumiu o posto de estrategista dos fundos de pensão com o mesmo objetivo.


Leia a decisão que obriga o iG e o OI a informarem quem escreveu os comentários apócrifos contra o jornalista:

Fórum Central Cível João Mendes Júnior
Processo: 583.00.2009.215206-3
Processo:CÍVEL
Comarca/Fórum Fórum Central Cível João Mendes Júnior
Cartório/Vara: 42ª. Vara Cível
Competência: Cível
Ordem/Controle: 2352/2009
Grupo: Cível
Qtde. Autor(s) 1
Qtde. Réu(s) 2

PARTE(S) DO PROCESSO
Requerido: INTERNET GROUP DO BRASIL LTDA
Requerido: JORNALISTAS ASSOCIADOS AYZ S/C LTDA
Requerente: MÁRCIO OSMAR CHAER
Advogado: 286590/SP JOÃO YUJI DE MORAES E SILVA

3/12/2009 Despacho Proferido

Vistos. 1. Deverá o autor comprovar a legitimidade passiva de JORNALISTAS ASSOCIADOS AZYZ S/C LTDA., pois não é possível verificar sua relação com o “site” indicado na petição inicial. 2. Sem prejuízo, em relação ao INTERNET GROUP, presentes os requisitos, DEFIRO o pedido liminar. A probabilidade do direito do autor está comprovada pela publicação de comentário, em tese, ofensivo ao autor, pretendendo ele informações sobre o responsável, para futuro ressarcimento. A legitimidade da ré está demonstrada, minimamente, pois os documentos trazidos demonstram ser a hospedeira do site em questão. Por fim, o receio de dano é incontestável, já que as informações, com o passar do tempo, podem se perder, impossibilitando futura reparação. Pelo exposto, DEFIRO a antecipação dos efeitos da tutela, determinando que a co-requerida INTERNET GROUP DO BRASIL forneça, no prazo de 48hs, registros de IP utilizado nos comentários formulados em nome de ANA VARDANEGA (Ana.vardanega@gmail.com), com datas e horários de acessos do responsável, bem como eventuais registros de “logs” adicionais de transferência de arquivos. Arbitro, desde logo, para o caso de não cumprimento da medida de urgência, a incidência de multa no valor de R$ 5.000,00 por dia, até o limite de R$ 50.000,00, sem prejuízo de majoração do valor e de seu limite se necessário. A presente decisão servirá de mandado de citação e notificação da medida de urgência. Int.


Comento

Publico, na média, uns 1.500 comentários por dia. Excluo quase outro tanto. Muitos leitores recorrem a apelidos. Mas são leitores que, obviamente, existem. E tanto se me dá se alguém quiser fazer uma avaliação técnica para saber se isso é verdade ou não. Procuro distinguir o direito de crítica da calúnia industriada. Acho que consigo. Sempre peço aos leitores que me avisem se consideram que alguém atravessa o samba.

O anonimato ou o apelido é um dado da Internet. Mas não pode ser desculpa para criminosos. E é evidente que há bandidos a soldo na rede. E, se cometem crimes, têm de responder por eles.

É perfeitamente possível ser muito firme numa determinada posição ou opinião sem transgredir a lei. A menos que se trate de bandidagem pura e simples.

(Por Reinaldo Azevedo)

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

ENTREVISTA


Ontem estive em Crateús.

Em meio aos compromissos, fui convidado pelo repórter Helvécio Martins para conceder uma entrevista à Rádio Príncipe Imperial, onde inicialmente ele me indagou a respeito da eleição da OAB e, em seguida, sobre política local e estadual.

Respondi-lhe que nutro enorme esperança quanto ao futuro da OAB no Ceará. O presidente Valdetário Monteiro é uma pessoa que exibe uma virtuosa trajetória de vida, tem atitude, determinação e garra para impulsionar positivamente os destinos da entidade. Será, indubitavelmente, uma gestão operosa.


Sobre a conjuntura, esclareci que as eleições no Chile exibem um fenômeno que precisa ser mais bem avaliado. Por que a Presidente Chilena, Michelle Bachelet, que detém uma popularidade tão expressiva quanto a do Presidente Lula no Brasil, amargou uma derrota? Certamente é porque hoje o peso da transferência de voto mudou. Até bem pouco tempo um líder forte e bem avaliado elegia facilmente o indicado. Hoje é diferente. Prova disso é o próprio Brasil, onde há mais de um ano o presidente exibe uma candidata que continua atrás nas pesquisas.

No que pertine à eleição estadual, enfatizei a importância do estado do Ceará reeleger Tasso Jereissati, o único homem público cearense a governar o estado por três mandatos, sempre eleito pelo voto popular. Além de reconhecimento ao seu trabalho, trata-se de ato de justiça.

Instado a fazer uma avaliação do governo municipal, respondi:

1. A eleição de Carlos Felipe foi emblemática. Embora tenha votado no candidato concorrente, reconheço que Carlos Felipe catalisou as esperanças da população. O povo votou nele sob o forte desejo de que ele promovesse uma profunda alteração nos costumes políticos e na condução administrativa. Infelizmente faltou-lhe aquilatar a real dimensão e o alcance histórico do seu papel. Ao invés de iniciar o seu governo conclamando a inteligência da cidade, pela mediação dos segmentos organizados, e as lideranças indistintamente para a construção de uma agenda de transformações sustentáveis, preferiu repetir os velhos modelos: cooptação de vereadores, ações revanchistas, discurso discriminatório. Perdeu a oportunidade inicial da inovação.

2. Além de uma mudança relacional, era imperiosa a promoção de um choque de gestão: corte nas gorduras, enxugamento da máquina, racionalização de procedimentos e constituição de uma robusta poupança. Na ânsia imediatista de mostrar resultado, iniciou obras sem folga de contrapartida e começa a enfrentar problemas (a reforma da Praça da Estação está prestes a completar um ano e inconclusa). No lugar de um programa eficaz de desenvolvimento sustentável, temos uma série atabalhoada de ações desconexas ao sabor da conjuntura externa.

3. No meio da entrevista, um ouvinte ligou perguntando o que o PSDB tinha feito para ajudar a administração do Prefeito Carlos Felipe. Respondi que é preciso distinguir: uma coisa é ajudar a Administração; outra, ajudar a população. O PSDB tem ajudado a população do município. Exemplo é que muitos ações de saneamento e pavimentação da cidade era fruto de emendas do deputado do PSDB Nenen Coelho. Outro exemplo foi a destinação de recursos (R$ 200.000,00) para a Faculdade de Educação de Crateús – FAEC, além de uma infinidade de projetos em execução. A ajuda à Administração depende de quem está à frente desta. O prefeito nunca fez qualquer sinal de querer uma relação saudável e elevada com os setores que lhe fazem oposição. Nesse quesito, repete a velha e anacrônica política pendular de transitar sobre os dois extremos: ou as pessoas, por cooptação, o acompanham submissamente ou procura esmagar quem insiste em lhe fazer contraponto. Como se fosse impossível seguir outro caminho.

4. Por fim, reiterei a esperança de que, na dialética do debate, possamos avançar no rumo de, um dia, atingirmos o ideal de vivermos numa cidade que respire sob uma atmosfera diferenciada nos seus aspectos político e administrativo.


(Por Júnior Bonfim)

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

TRANSPARÊNCIA DEVE MELHORAR IMAGEM DA JUSTIÇA

Entre as diversas providências que o Conselho Nacional de Justiça vem tomando com o objetivo de tornar mais transparente e eficiente a administração do Poder Judiciário, uma das mais simples começará a ser adotada nas próximas semanas. Trata-se da divulgação, pela internet, de todas as despesas de custeio e de investimento da Justiça Federal, da Justiça do Trabalho, das Justiças estaduais, da Justiça Eleitoral e da Justiça Militar. Atualmente, os gastos do Judiciário representam 5,2% da despesa pública global no País. Até hoje, só alguns tribunais vinham divulgando suas contas.

Pela Resolução 102 do CNJ, os dados terão de ser atualizados até o vigésimo dia de cada mês e a medida vale para todas as instâncias judiciais. A divulgação da estrutura de cargos e dos gastos com pagamento de magistrados e servidores administrativos deverá começar em fevereiro. E, a partir de março, todos os tribunais deverão divulgar, em seus respectivos sites, todas as informações relativas à execução orçamentária.

Com base nos dados divulgados, que também terão de ser enviados pelos tribunais ao CNJ, o órgão pretende criar no Judiciário um mecanismo de controle de gastos semelhante ao Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), que funciona há anos no Poder Executivo. Invocando a autonomia funcional e a independência administrativa, alguns juízes se opunham à abertura das contas de suas respectivas cortes, principalmente as informações relativas a salários e gratificações. E, acostumados a pedir verbas suplementares todas as vezes que tinham problemas de caixa, também resistiram à aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal, que impôs limites a gastos com pessoal, obrigando a Justiça a aplicar seus recursos orçamentários de modo mais racional e a adotar políticas mais eficientes de recursos humanos.

Como afirma o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Mozart Valadares, que apoia a divulgação das contas dos tribunais, a obrigatoriedade de divulgação dos gastos vai "aguçar a resistência de alguns segmentos judiciais". Para os conselheiros do CNJ, a medida, juntamente com os indicadores de desempenho funcional e as inspeções da Corregedoria Nacional de Justiça, permitirá identificar os casos de má gestão financeira, de arbitrariedades, de malversação de recursos públicos e de gastos perdulários com diárias, coquetéis, homenagens, carros oficiais e passagens aéreas. Em suas inspeções, os auditores do CNJ constataram graves distorções nas Justiças estaduais, cujo orçamento anual é superior a R$ 18 bilhões. Por gastar excessivamente com a manutenção dos gabinetes de seus dirigentes, por exemplo, alguns Tribunais de Justiça não dispunham de recursos suficientes para manter as varas judiciais, prejudicando com isso o atendimento à população.

Para coibir abusos em matéria de execução orçamentária, a resolução do CNJ obriga todos os tribunais a detalhar minuciosamente 30 itens, inclusive gastos com a construção de fóruns, reformas de imóveis, serviços de informática, publicidade, assessoria de imprensa, publicações e combustíveis. Os tribunais terão de informar até o que gastam com o cafezinho dos magistrados.

Além das despesas com pessoal ativo e inativo, encargos sociais e pensões, as cortes terão de divulgar os subsídios pagos a cada um de seus integrantes e os gastos com funcionários comissionados e terceirizados. Como magistrados e serventuários judiciais se opuseram à divulgação de seus nomes e respectivos vencimentos, o CNJ decidiu que as listagens relativas às folhas de pagamento serão exibidas com o número de matrícula funcional de cada um. Os tribunais também terão de informar as receitas provenientes de custas, taxas judiciais e serviços extrajudiciários e os valores gastos com a execução das sentenças judiciais.

Contribuindo para racionalizar a gestão dos recursos financeiros dos tribunais, as novas regras do CNJ ajudarão o Judiciário a melhorar sua imagem perante a opinião pública. Há dois meses, a pesquisa Índice Latino-americano de Transparência Orçamentária, realizada em 12 países, apontou o Judiciário como o mais "opaco" dos Três Poderes. Quanto mais transparente for a Justiça, maior será sua credibilidade.

[Editorial publicado na edição deste domingo do jornal O Estado de S. Paulo]

COMENTÁRIOS

J. B.

Importante sua menção neste espaço sobre a passagem da Coluna Prestes pela nossa querida ribeira do Poty.

Pena que os mandatários Crateuenses nunca tiraram o saudável proveito da passagem deste movimento ímpar na história do Brasil, com inspiração no lendário Mao Tsé-tung, Zhou Enlai e demais, que lideraram a grande Marcha, na China.

Alexandre Maia

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Caro Jr. Bonfim:

Provocar reações é uma maneira de fazer eslarecer ideias e ou pensamentos.

Vc foi por mim provado e respodeu com um brilhantismo que é so seu.

Faço das suas palavras, as minhas. "LIVRES" assim defendeu François-Marie Arouet.

Obrigado TFA

LB

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Caro Júnior , essas fotos postadas no observatório nos mostram um momento dificil em nossa categoria.

Mas acredito que ensinar exige alegria, esperança e convicção que a mudança é possivel basta querer.

Ozair Medeiros